Crítica do espetáculo “Passport” por Karol Meier

Laboratório Crítica Teatral
Espetáculo Passport
POR KAROL MEIER

Intenso. É o que se pode dizer do espetáculo Passport. Tudo acontece em alguma cidade, algum país esquecido. A peça é uma adaptação da dramaturgia homônima escrita pelo venezuelano Gustavo Ott, em 1988. Foi à cena pela primeira vez no mês de outubro de 1991, em Madri. E no ano de 2001, chega a Joinville sob direção de Samuel Kühn, com assitência de Maikon Jean Duarte. Tempo, mudanças e evolução. É a cidade que não é mais a mesma; é a incomunicabilidade; é a interpretação diferente de vários lugares sobre um documento; é a perda da referencialidade simbólica. Estas são cenas vividas pelos três personagens ( um sargento, um soldado e um cidadão). Gustavo Ott mostra em sua peça o imprevisível e uma mistura de sentimentos. Todos os elementos cênicos trabalham em harmonia. A iluminação, assinada por Flavio Andrade e a trilha sonora, por Leandro Pedrotti Coradini, se integram à cenografia, gerando em alguns momentos sensações de tensão e noutros também de alívio.  Sentidos esses, que aproximam o público da obra. Passport é um espetáculo que surpreende pela sua construção e pela forma sensível que nos chega.

Anúncios

Uma resposta para “Crítica do espetáculo “Passport” por Karol Meier

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s